quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Filho Preferido

Certa vez perguntaram a uma mãe qual era seu filho preferido, aquele que ela mais amava.
Ela, deixando entrever um sorriso, respondeu: 

"Nada é mais volúvel que um coração de mãe. E, como mãe, respondo-lhe:
o filho preferido, aquele a quem me dedico de corpo e alma,
é o meu filho doente, até que sare.
O que partiu, até que volte.
O que está cansado, até que descanse.
O que está com fome, até que se alimente.
O que está com sede, até que beba.
O que está estudando, até que aprenda.
O que está nu, até que se vista.
O que não trabalha, até que se empregue.
O que namora, até que se case.
O que casa, até que conviva.
O que é pai, até que crie.
O que prometeu, até que cumpra.
O que deve, até que pague.
O que chora, até que se cale".

E, já com o semblante bem distante daquele sorriso, completou:
"O que já me deixou, até que o reencontre". 

Qual o termo contrário pra admirar?
Pois é esse mesmo termo que sinto por pais que deixam claro sua preferência por um dos filhos.
Pode ser que seja sem querer, que acabem fazendo sem perceber.
Mas precisam ter cuidado, o filho preterido sente, e guarda isso dentro de si.
Pode acontecer dele não deixar transparecer a dor do descaso, mas ela está ali, bem sentida, bem verdadeira.
Cuidado Pais, procurem analisar suas ações com os filhos, um por um.
Sim, existem pais que amam de tal forma seus filhos que não conseguimos ver nenhuma diferença.
Conheço pais assim, meus Pais foram assim.
Amaram tanto seus 4 filhos que nenhum deles podem levantar essa questão, qual amado menos ou mais.
Conheço mais pais assim.
Mas sabemos que existem o que não são assim.